23 de mai de 2017

Lava Jato diz que caseiro informava Lula sobre dia a dia de sítio


Para a Lava Jato, as mensagens obtidas com a quebra de sigilo telemático de Elcio Pereira Vieira revelam "ser o sítio de propriedade e posse de Lula"

Lula: Maradona relatou ao petista sobre uma visita da força-tarefa da Lava Jato (Leonardo Benassatto/Reuters)


Com Estadão Conteúdo - E-mails apreendidos na Operação Lava Jato apontam que o caseiro do sítio de Atibaia, no interior de São Paulo, enviava mensagens ao destinatário ‘apoio@institutolula.org’ notícias sobre o dia a dia na propriedade.

Elcio Pereira Vieira, o Maradona, mantinha o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva informado sobre o que ocorria nas redondezas da chácara, encaminhava listas de materiais de construção, recibos de compras de itens da propriedade e relato sobre os animais de estimação.

Para a Lava Jato, as mensagens obtidas com a quebra de sigilo telemático de Maradona revelam “ser o sítio de propriedade e posse de Lula”.

Os e-mails foram anexados à nova denúncia contra o petista, agora acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por reforma milionária no sítio de Atibaia. Além do ex-presidente, outros 12 investigados são acusados nesta denúncia.

Em 21 de abril de 2015, o caseiro mandou fotografias em um e-mail intitulado “avião aki na chacara hoje pela manha”. Na mensagem, 12 fotografias de uma aeronave no céu.

Outro e-mail, de 23 de outubro de 2014, foi enviado ao mesmo destinatário com três fotos e uma mensagem: “a pirua esmagou os tres pintinhos de pavão que estava com ela bom dia!”.

Maradona relatou ao petista sobre uma visita da força-tarefa da Lava Jato.

O caseiro enviou, em 2 de junho de 2016, às 21h09, uma fotografia de um pedaço de papel com a anotação “Força-tarefa – Dr Julio, Dr Roberson, Dr Athayde e Dr Januário”. Ao lado, a indicação Ministério Público Federal. Em cima, um telefone.

Os procuradores Julio Noronha, Roberson Pozzobon, Athayde Ribeiro e Januário Paludo fazem parte da força-tarefa da Lava Jato, no Paraná.

Na acusação criminal contra Lula, a Procuradoria afirma que a anotação foi feita pelo filho de Edivaldo Pereira Vieira, irmão de Maradona, quando procuradores da força-tarefa “efetuaram diligências investigativas em Atibaia”.

Segundo a denúncia, Edivaldo prestou serviços no sítio, cuja propriedade é atribuída a Lula, o que a defesa do petista nega com veemência.

Edivaldo e Maradona não são acusados na denúncia do Ministério Público Federal.

“Na diligência efetuada pelos membros do Ministério Público Federal, Edivaldo respondeu falsamente que nunca trabalhou na propriedade e, após informado do dever de falar a verdade, seu filho anotou os dados de integrantes da força-tarefa para eventual contato, o que nunca ocorreu”, aponta a denúncia.

Obras

Em 31 de julho de 2014, Maradona encaminhou uma mensagem com o título “obras no sítio”.

No e-mail, também endereçado ao Instituto Lula, o caseiro listou materiais para realização de obras na propriedade.

No texto, Maradona escreve que combinou com a ex-primeira-dama dona Marisa (morta em fevereiro deste ano vítima de um AVC) que os materiais para fazer acabamento seriam vistos depois.

Mensagem de 4 de agosto de 2015, encaminhada pelo caseiro a Fernando Bittar, tem o título “orçamento da roçadeira” e apontava valores para o conserto do equipamento que estava com defeito.

Segundo a Lava Jato, a roçadeira havia sido adquirida por Marisa em 27 de abril de 2011, na loja Jardins Equipamentos LTDA.

Em uma das mensagens enviadas ao Instituto Lula, Maradona anexou duas fotografias com o valor de R$ 475 que seria destinado a reparos em um portão automático do sítio.

Em nota divulgada nesta segunda-feira, 22, o advogado Cristiano Zanin Martins, defensor de Lula, afirmou:

“A denúncia apresentada hoje (22/05) pela Força Tarefa da Lava Jato contra Lula mostra uma desesperada tentativa de procuradores da República justificar à sociedade a perseguição imposta ao ex-Presidente nos últimos dois anos, com acusações frívolas e com objetivo de perseguição política. A

nota que acompanhou o documento deixa essa situação muito clara ao fazer considerações que são estranhas à área jurídica e às regras que deveriam orientar a atuação de membros do Ministério Público, como a legalidade e a impessoalidade.

A peça buscou dar vida à tese política exposta no PowerPoint de Deltan Dallagnol, para, sem qualquer prova, atribuir a Lula a participação em atos ilícitos, envolvendo a Petrobras, que ele jamais cometeu.

Os procuradores reconhecem não ter qualquer prova de que Lula seja o proprietário do sítio, embora tenham repetido esse absurdo por muito tempo em manifestações formais e em entrevistas impropriamente concedidas à imprensa:

‘A forma de aquisição da propriedade e seu registro, mediante possíveis atos de ocultação e dissimulação, não são objeto da denúncia’.

Mas recorreram a pedalinhos e outros absurdos para sustentar a tese de que Lula seria o beneficiário de obras realizadas no local e que os valores utilizados seriam provenientes de supostos desvios ocorridos em contratos firmados pela Petrobras.

A afirmação colide com todos os depoimentos já colhidos em juízo até a presente data, com a obrigação de dizer a verdade, que afastam o ex-Presidente da prática de qualquer ato ilícito.

A Lava Jato age de forma desleal em relação a Lula, com acusações manifestamente improcedentes e com a prática de atos que são ocultados de sua defesa.

Hoje mesmo, o ex-Senador Delcídio do Amaral reconheceu em depoimento prestado na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba que participou no Mato Grosso de Sul de interrogatório solicitado por autoridades americanas com a participação do Ministério Público Federal e com representantes da Petrobras.

O ato, embora relacionado às acusações feitas contra Lula, não havia sido revelado e os documentos correspondentes ainda são desconhecidos.

A falta de justa causa para o recebimento da ação penal proposta nesta data é flagrante e um juiz imparcial jamais poderia recebê-la.”

Solo cede na rua João de Paiva e forma cratera de 2 metros


Prefeita Marilete Vitorino foi imediatamente ao local com engenheiro da Prefeitura e outras autoridades


Assecom - Uma cratera com cerca de 2 metros de diâmetro e quase 1metro de profundidade na Rua João de Paiva, em frente à Biblioteca Municipal, chamou atenção da equipe da Secretaria de Obras e Defesa Civil que estiveram no local juntamente com a prefeita Marilete Vitorino.

A cratera se formou já na tarde desta segunda feira, 22, e logo a prefeita a equipe da Secretaria de Obras e Defesa Civil vistoriaram o local acionando também o Corpo de Bombeiros para isolar e sinalizar o perigo, alertando condutores e pedestres.

De acordo com o Secretário de Obras, o engenheiro Yan Silva, o problema se deu em decorrência da tubulação d’água que se rompeu e umedeceu o solo que teve por conseqüência, ceder e formar a cratera.

“O bueiro também não tem estrutura suficiente para suportar o peso sobre ele e fez com que fosse cedendo até se formar esse imenso buraco. “Vamos chamar o DEPASA para verificar a tubulação da rede de água e a prefeitura já vai resolver a situação”, afirmou o secretário Yan Rodrigues.

Ainda de acordo com o Secretário de Obras, isso acontece quando o trabalho é executado de forma paliativa, sem planejamento adequado.
  
A prefeita Marilete Vitorino recomendou que os reparos fossem feitos imediatamente para que o local volte a dar acesso aos usuários com segurança. “Quero que seja feito um serviço de qualidade para que o problema não volte a repetir-se causando o mesmo transtorno”, declarou a prefeita.

Considerada a deputada mais atuante, Sinhasique avalia mandato e crise política do Brasil


"Desde o início, busco fazer um mandato propositivo e popular", disse Eliane



Jorge Natal - Depois de ser considerada uma das vereadoras mais atuantes das últimas décadas, Eliane Sinhasique (PMDB), de 47 anos, agora acumula outro feito. De acordo com uma pesquisa feita pela Agência Delta, entre os dias 29 de abril a 4 de maio, ela foi escolhida a deputada estadual mais atuante da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac). O estudo ouviu 1.200 pessoas na Capital e em 14 municípios do Acre.

Além das proposições, do destaque que ela é na tribuna e da participação nas comissões e audiências públicas, o mandato de Sinhasique estende-se às ruas. Mensalmente ela coloca o seu gabinete na rua e possui a equipe “Alô, meu povo”, que atende aos chamados pelas redes sociais. Essa intensa ação parlamentar e política, aliadas a outros fatores, fazem dela um dos grandes destaques da política local.

Sempre atuante, Sinhasique faz uso da tribuna da Aleac todas
 as vezes em que acha necessário /Foto: Reprodução
Oposicionista ferrenha, Sinhasique pauta os principais debates e faz a maioria das denúncias do Executivo, o que causa uma verdadeira fúria no núcleo do poder e entre alguns colegas palacianos.

O PT, em sua opinião, é desonesto na sua essência e método. No primeiro, por produzir e manter relações desiguais, disfarçada por uma falsa utopia de justiça social. Segundo, porque utiliza os meios mais antirrepublicanos em nome do seu projeto de poder. “Além disso, o petismo tenta tirar a capacidade de iniciativa e empreendedorismo das pessoas”, afirma a parlamentar.

Eliane e seu ‘Gabinete na Rua’ em busca de
atender a população /Foto: Reprodução
O principal quadro de seu partido, o presidente República, Michael Temer, no entanto, acabou de protagonizar mais um vexame na política brasileira, fato que a constrange, mas não a impede de se posicionar. “O PMDB é maior do que qualquer membro que, porventura, tenha cometido algum deslize. Defendo investigações de qualquer ato ilícito. Que se investigue, apure e penalize”, declarou.

Nascida em Guaíra (PR) e criada até os 16 anos no Projeto de Assentamento Dirigido (PAD) Pedro Peixoto, no município de Plácido de Castro, Sinhasique chegou à Capital e se tornou jornalista, radialista e publicitária. Foi repórter e apresentou jornais nas TVs locais.

Obteve destaque no rádio, sendo líder de audiência por duas décadas. Eliane utilizava o espaço para atender pedidos do público, cobrando serviços ou pedindo melhorias. Em 2012 foi candidata a vereadora e acabou sendo a mais votada em Rio Branco. Em apenas um ano, apresentou mais proposições do que a legislatura inteira.

Sinhasique recebeu a equipe da ContilNet para um bate-papo em seu gabinete /Foto: Reprodução

Nas últimas eleições foi candidata a prefeita de Rio Branco e obteve 32% dos votos válidos. Em seu gabinete na Assembleia Legislativa ela recebeu a equipe da ContilNet e concedeu esta entrevista. Vejam os principais trechos:

ContilNet – A que a senhora credita ter sido considerada, em seu terceiro ano de mandato, a deputada mais atuante da Assembleia?

Sinhasique – Fiquei muito feliz com essa pesquisa, pois ela mostra que estou no caminho certo. Desde o início, busco fazer um mandato propositivo e popular. Faço parte de diversas comissões da Assembleia, sou a líder do PMDB na Casa. Apresentei e aprovei inúmeros projetos que beneficiam a população, como a Lei da Escala Médica, por exemplo, que dispõe sobre a afixação da escala dos plantonistas do dia em local visível nos Hospitais do Estado.

Tenho colocado a boca no microfone para reclamar da precariedade dos serviços públicos e denunciar as omissões e equívocos dessa gestão. Apontamos os problemas e apresentamos soluções para o nosso Estado. O nosso gabinete, mensalmente, está nas ruas e a equipe “Alô, meu povo”, diariamente, nos bairros.

Acho que todo esse trabalho colaborou para que nosso mandato fosse o mais lembrado na pesquisa. Também temos nossas atividades partidárias, como presidente do PMDB Mulher e da Fundação Ulysses Guimarães, executo diversos cursos nos bairros, levando conhecimento para a população mais carente.
ContilNet – Após quatro anos afastada da rádio, por que resolveu voltar?

Sinhasique – Voltar para a rádio faz parte da nossa intenção de estar mais próximo da população. Temos inúmeras ações na Assembleia, [além disso] nos bairros temos nossas ações partidárias, através dos nossos núcleos do PMDB Mulher e da Fundação Ulysses Guimarães, dos quais sou presidente. Porém, o rádio me aproxima ainda mais das pessoas. É mais um canal de interação com o público. Lá recebo e faço denúncias, cobro melhorias para os bairros e nos serviços públicos.

ContilNet– Como a senhora avalia os últimos acontecimentos em Brasília, principalmente as denúncias envolvendo o presidente Temer?

Sinhasique – Eu fique bastante abalada com a notícia. Não por causa do presidente Temer, mas pelo Brasil, pois estamos retomando o crescimento econômico, o controle da inflação, da taxa de juros e a confiança dos investidores.

Embora Temer seja do meu partido, eu sempre defendi e continuo defendendo que sejam feitas as investigações e, caso seja provada a culpa, que ele e mais envolvidos do meu partido ou de qualquer outro, paguem. A crise que vivemos está desnudando a vida política do país.

Ninguém está acima da lei nem do Estado Democrático de Direito. O povo está indo às ruas para revelar a sua vontade. Desde 2014, percebe-se que algo mudou e as manifestações populares passaram a vocalizar o inconformismo do povo contra a corrupção e o desgoverno.

ContilNet – Passaram-se quase 20 anos e PT não resolveu os principais problemas do Estado? Por quê?

Sinhasique – Porque eles (administradores petistas) são péssimos gestores. Dão calotes nos empresários. Não mantêm uma relação de respeito com essa classe. Por exemplo: não pagam em dia e isso gera uma crise econômica sem precedente. São desorganizados, gastam muito e mal.

Não existe um projeto de Estado, mas um projeto de poder em vigor. Apesar de todas as riquezas existentes em nossa região, elas seguem ainda subexploradas e mal administradas por um Executivo subserviente a seus próprios interesses.

Neste ponto, o Acre precisa de pessoas revolucionárias para que possa experimentar toda sua potência, desenvolvendo-se plena e satisfatoriamente, melhorando a qualidade de vida da população como um todo.
ContilNet – Como a senhora avalia o governo de Tião Viana?

Sinhasique – Péssimo. Ele se mete a ser empresário. Governo nenhum pode gastar dinheiro público em indústrias, metendo-se na iniciativa privada. Nem as afugentar como faz esse governo. Todos os empreendimentos que o governo esteve no meio deram errado: indústria de peixes, fábricas de tacos e preservativos, em Xapuri, de biscoitos em Cruzeiro do Sul. O governo do Tião Viana é um ‘Rei Midas às avessas’, ou seja, tudo que ele toca dá errado.
ContilNet – O que a senhora faria para trazer desenvolvimento e melhoria na vida das pessoas?

Sinhasique – Faria tudo o que esse governo não está fazendo. Levaria investimentos e tecnologia para fomentar a produção agrícola, dotando os produtores de opções, uma vez que o desmatamento e uso do fogo estão proibidos.

Abriria e recuperaria os ramais, pois a maioria está sem trafegabilidade. Faria fazer valer o zoneamento ecológico e econômico, isto é, cultivaríamos apenas aquilo que é vocacional para uma determinada região e sem agredir o meio ambiente.

Traria a Suframa de Manaus para verdadeiramente investir em nosso Estado, porque estamos na tríplice fronteira e, portanto, numa região estratégica. Diminuiria a carga tributária para que a iniciativa privada pudesse aqui se instalar.

Faria, também, aquilo que chamo de inversão de prioridades, ou seja, ao invés de gastar exageradamente com propaganda, diárias de assessores e mordomias, eu direcionaria esses recursos para a Saúde, Educação e Segurança.

Tentaria, ainda, ser transparente com a coisa pública, alargando a participação das pessoas na administração. Acabaria com essa simbiose com algumas instituições autônomas. Enfim, seríamos um governo democrático, respeitador do contraditório e do Estado Democrático de Direito.

ContilNet – A senhora é uma opositora combatente. Considera-se radical?

Sinhasique – Faço oposição com argumentos consistentes, com provas e documentos. E voto pela aprovação daquilo que é bom para a população. Não faço oposição [simplesmente] por fazer oposição. Sou mulher de ações propositivas. Em uma democracia, a oposição tem papel fundamental. Se o governo é ruim, a oposição coloca o governo para trabalhar. Se é bom, a oposição não deixa ele se acomodar.

May diz que polícia acredita saber quem está por trás de ataque em Manchester



David Milliken e Elizabeth Piper - A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse nesta terça-feira que a polícia e os serviços de segurança conhecem a identidade do suposto homem-bomba que matou 22 pessoas, incluindo muitas crianças, em um show de música em Manchester.


May, falando do lado de fora de sua residência oficial na rua Downing Street, disse, no entanto, que as autoridades não estão prontas para anunciar a identidade do responsável pelo ataque.

A premiê também disse que o agressor conduziu o ataque sozinho, mas que ainda não está claro se outras pessoas ajudaram na preparação.

22 de mai de 2017

Lula é denunciado e pode se tornar réu pela sexta vez


MPF acusa o petista de corrupção passiva e lavagem de dinheiro nas reformas de um sítio em Atibaia por empreiteiras envolvidas no petrolão

O ex-presidente Lula faz discurso na praça Santos Andrade, que reúne militantes 
favoráveis a ele, no centro de Curitiba (Paulo Whitaker/Reuters)

João Pedroso de Campos  - A força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba denunciou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro nesta segunda-feira no caso envolvendo obras no sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). Caso o juiz federal Sergio Moro aceite a acusação dos procuradores, o petista se tornará réu pela sexta vez, três delas na investigação que apura desvios na Petrobras.


Conforme as investigações da Lava Jato, as obras no sítio, do qual Lula seria proprietário oculto, foram feitas pelas empreiteiras Odebrecht, Schahin e OAS, além do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente.

Além de Lula e Bumlai, os procuradores do MPF denunciaram os empreiteiros Léo Pinheiro, da OAS, Marcelo Odebrecht, Agenor Franklin Magalhães Medeiros, Rogério Aurélio Pimentel, Emílio Odebrecht, Alexandrino Alencar, Carlos Armando Guedes Paschoal, Emyr Diniz Costa Júnior, Roberto Teixeira, Fernando Bittar e Paulo Roberto Valente Gordilho.

Atos pró-Lula que fingem ser anti-Temer fracassam e têm baixíssima adesão




De acordo com o portal UOL, os atos organizados em Brasília e Rio de Janeiro pelos grupos de extrema-esquerda pró-Lula fracassaram e até o momento tiveram baixíssima adesão. O movimento Vem Pra Rua, que chegou a apoiar o impeachment de Dilma Rousseff, havia convocado manifestações para hoje, mas acabou recuando na sexta-feira ao perceber que o protesto contra o governo Temer era puro oportunismo para os petistas.

No Rio de Janeiro, até o momento foram cerca de cem pessoas, todas ligadas a grupos políticos de esquerda ou sindicatos.

“Esse é um ato que deveria ter milhares de pessoas. Infelizmente, mais uma vez, temos um número reduzido. Enquanto o cidadão preferir pegar praia ou ficar em casa vendo televisão, esse país não vai mudar. As pessoas não podem esperar que o partido convoque, que o governo convoque ou que o amigo convoque. A população está dormindo”, Alzimar Andrade, um dos organizadores do ato.

Em momento cômico, uma militante subiu no carro de som e pediu a palavra, dizendo: “Estou vendo que tem pouca gente aqui. Não pode ser assim. Enquanto isso acontecer, nada vai mudar.”

Testes com satélite brasileiro de comunicação devem durar 45 dias




Sabrina Craide - Os testes para a verificação do funcionamento do satélite brasileiro para comunicação e defesa começaram no último sábado (13), quando o equipamento chegou à órbita geoestacionária. O processo de verificação dos sistemas do satélite devem levar cerca de 45 dias.


De acordo com a Telebras (Telecomunicações Brasileiras S.A), serão feitas verificações do funcionamento de todos os sistemas, medidas de carga útil e a constatação de que o satélite está totalmente apto para entrar em operação comercial.

Processo de calibragem

Os dados emitidos e recebidos pelo satélite serão acompanhados pelo Comando de Operações Aeroespaciais (Comae), em Brasília, e pela Estação de Rádio da Marinha, no Rio de Janeiro, que serão responsáveis por controlar o satélite após o processo de calibragem, previsto para acabar em junho.

A previsão é que no dia 1º de julho a Telebras comece a fazer os primeiros testes para medir a potência do satélite para a transmissão de dados em todas as regiões do país. Parte da capacidade do satélite será alugada para empresas privadas para a oferta de banda larga, especialmente em regiões remotas, e a Telebras vai ficar com a capacidade necessária para oferecer serviços de saúde, educação e serviços ao cidadão.

O satélite será utilizado para comunicações estratégicas do governo e para ampliar a oferta de banda larga no país. O projeto é uma parceria entre os ministérios da Defesa e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, e envolve R$ 2,7 bilhões.

Sebastião Viana teve campanha financiada por JBS, mostra lista divulgada pelo Estadão



Um dos documentos da delação dos executivos da JBS mostra que o grupo empresarial contribuiu para a eleição de 16 dos 27 governadores empossados em 2015. Em termos proporcionais, foram 60% dos vitoriosos nas eleições de 2014. Um deles é o governador do Acre, Sebastião Viana (PT), que supostamente teria sido financiado pela empresa.

A lista dos governantes que o JBS considera seus aliados aparece em uma nota manuscrita entregue pelo executivo Ricardo Saud, conforme divulgou o Jornal o Estado de São Paulo. No mesmo pacote de documentos há uma relação de candidatos financiados em 2014, com os respectivos valores recebidos.


O cruzamento das duas listas mostra que, dos governadores eleitos, o PSDB lidera o ranking de valores recebidos, com R$ 15 milhões. A seguir vêm PT (R$ 13,3 milhões), PSD (R$ 11,3 milhões) e PMDB (6,6 milhões). A eleição dos 16 governadores custou R$ 47,3 milhões à JBS.

Bolsonaro tem alcance de 56 milhões de votos, segundo pesquisa


Levantamento mostra força do pré-candidato à Presidência da República

 Milhões de eleitores votariam em Bolsonaro Milhões de eleitores votariam em Bolsonaro


Diogo Marcondes - A última pesquisa para as eleições presidenciais de 2018, divulgada pelo Instituto DataPoder360 no último dia 10, mostra que o deputado federal #Jair #bolsonaro (PSC-RJ) é o pré-candidato à Presidência da República com o maior alcance de votos entre todos os concorrentes.

De acordo o levantamento, Jair Bolsonaro conta com 17% dos eleitores que só votariam nele e em mais ninguém e poderia ser votado por outros 22%. A soma destas duas porcentagens representa 56,1 milhões de votos. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Brasil têm 144 milhões de eleitores.


Luiz Inácio Lula da Silva (PT), por exemplo, aparece na liderança, com 24% de eleitores declarando que só votariam no petista. Mas apenas 12% dos eleitores poderiam votar nele. A soma das porcentagens, 36%, representa 51,8 milhões.

A rejeição ao petista, que é réu em três processos da Operação Lava Jato e em mais dois processos de outras operações, é muito grande: 54% dos eleitores não votariam no ex-presidente da República. Bolsonaro tem rejeição de 46%.

O prefeito da cidade de São Paulo, João Doria (PSDB), que aparece com 13%, poderia ser votado por outros 20% dos eleitores. Ou seja, até 47,5 milhões de votos. Resultado abaixo de Bolsonaro e de Lula.

Doria empata com Marina Silva (Rede), que aparece com 7% de eleitores que só votariam nela, e conta com 26% do eleitorado que poderia votar nela, segundo o DataPoder360.

O prefeito de São Paulo está bem à frente do seu padrinho político Geraldo Alckmin (PSDB). O governador do estado de São Paulo seria votado por apenas 4% dos eleitores. E outros 21% disseram que poderiam votar nele.

A rejeição a Alckmin é igual de Lula: 54%. Ambos só perdem em rejeição para Ciro Gomes (PDT), que tem 56% de eleitores que disseram que não votariam nele de forma nenhuma. Quatro porcento votariam somente no cearense e 21% poderiam votar.

Bolsonaro
A presença de Jair Bolsonaro no segundo turno é quase que certa, de acordo com pesquisas divulgadas por diversos institutos. O deputado federal aparece quase sempre na segunda posição e com chances reais de passar para a próxima fase da disputa.

Na pesquisa do DataPoder 360, que considerou dois cenários, Bolsonaro aparece na segunda posição do cenário 1, com 21%, enquanto Lula lidera com 25%.

No segundo cenário, o parlamentar é o segundo colocado, com 17%, enquanto Lula tem 27% e João Dória aparece com 13%.

Veja em que os eleitores votariam, poderiam votar ou não votariam.

Bolsonaro

Votaria somente nele: 17%

Poderia votar nele: 22%

Não votaria nele: 46%

Lula

Votaria somente nele: 24%

Poderia votar nele: 12%

Não votaria nele: 54%

Marina Silva

Votaria somente nele: 7%

Poderia votar nele: 26%

Não votaria nele: 53%

João Dória

Votaria somente nele: 13%

Poderia votar nele: 20%

Não votaria nele: 45%

Geraldo Alckmin

Votaria somente nele: 4%

Poderia votar nele: 21%

Não votaria nele: 54%

Ciro Gomes

Votaria somente nele: 4%

Poderia votar nele: 21%

Não votaria nele: 56% #Eleições 2018

Bandidos invadem Maternidade Bárbara Heliodora e roubam arma de vigilante


"Pareciam parentes querendo informações, pois os ladrões estavam de cara limpa e tranquilos”, disse o marido de uma paciente


Na noite de sábado (20) dois homens armados invadiram a recepção da Maternidade Bárbara Heliodora, renderam o vigilante, apontaram a arma para funcionários e roubaram a arma do segurança.

Segundo informações de funcionários, os homens entraram e foram até a recepção onde estava o segurança. “Nós pensamos que se tratava de parentes querendo informações, pois os ladrões estavam de cara limpa e tranquilos”, disse o marido de uma paciente que está internada na maternidade.

Quando chegaram perto do vigilante foi que um deles sacou uma arma e colocou no cabeça do segurança, tomaram sua arma e saíram correndo. Na hora do assalto teriam mais de vinte pessoas no local, devido ao horário da visita, mesmo assim os bandidos não se intimidaram.

Ao prestar informações à polícia, o vigilante disse que ao anunciarem o assalto os bandidos disseram que pertenciam ao crime organizado. O hospital é protegido por duas empresas de segurança, a VIP e a Protege.

A diretora da maternidade, Sirlene Gonçalves, disse que tudo aconteceu muito rápido e que a ação dos bandidos foi registrada pelas câmeras de segurança instalados no hospital. Segundo ela, todas as janelas e portas da maternidade, bem como as do hospital infantil, dispõem de alarmes.

Prefeitura e MP discutem implementação do Plano Municipal de Saneamento Básico



Asssecom - O Ministério Público representado pelo Promotor Flávio Bussab juntamente com a chefe do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente, Patrimônio Histórico e Cultural, Habitação e Urbanismo, Vângela Maria e Representantes da prefeitura de Tarauacá, se reúnem para discutir e orientar sobre a implementação do Plano Municipal de Saneamento Básico.

No ato, o Ministério Público, através do Promotor Flávio Bussab e a chefe do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente Vângela Maria, repassaram aos representantes do poder público as orientações necessárias sobre como o Município deve agir para cumprir as 30 metas até o dia 31 de dezembro de 2017.

O Município terá que realizar vários planejamentos e cumprir com o cronograma de atividades que são estabelecidas pelo Ministério Público. De acordo com o Promotor de Justiça, após assinado o Termo de Ajustamento de conduta e o Município não cumprir com as 30 metas sofrerá multas que variam entre 5 mil a 50 milhões.


Ficou orientado que o lixo hospitalar é de responsabilidade do Estado, assim como, o lixo de setores privados. Serão dados prazos a estas instituições para regularizar a coleta do lixo. Foi decidido também que será feito um plano de Contingência de Incêndio juntamente com a Defesa Civil do Acre.


Palestras de conscientização deverão ser feita à população que mora aos arredores do lixão sobre a contaminação do mesmo, por meio dos animais domésticos e locomoção dos moradores no local. Uma ação de saúde também será feita para diagnosticar problemas de saúde decorridos do local.

Por fim, foi discutido ainda, meios de adquirir recursos através da SUFRAMA e SUDAM, Projetos de Reciclagem e Programas de Educação Ambiental. O Ministério Público vai entrar com uma ação contra a Gestão anterior por não ter cumprido com as ações do Plano Municipal.

CVM abre mais quatro processos para investigar empresas de irmãos Batista



Aluísio Alves - A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu na última sexta-feira mais quatro processos administrativos para apurar denúncias de irregularidades em negócios nos mercados de capitais realizados por empresas dos irmãos Joesley e Wesley Batista, incluindo a JBS.


As investigações foram abertas após reportagens da imprensa e divulgação de delações dos irmãos e de executivos das companhias, no âmbito da operação Lava Jato.

Um dos processos trata de indícios de possível prática de uso de informação privilegiada por meio de operações no mercado de dólar futuro e com ações da JBS. Outro analisa a atuação do Banco Original, da J&F, no mercado de derivativos.

Um outro processo da autarquia analisa a atuação da própria JBS no mercado de dólar futuro. Um quarto processo analisa negociações do controlador da JBS com ações da companhia.

20 de mai de 2017

Joesley comprou deputados para votar contra impeachment de Dilma


Ele havia prometido 15 milhões de reais para comprar cinco deputados. Pagou 3,5 milhões

 Mauricio Lima - A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) - 18/02/2017 (Evaristo Sá/AFP)


Em sua delação, no anexo 13, Joesley Batista disse que o deputado federal João Bacelar apareceu em sua casa na noite anterior à votação do impeachment querendo comprar deputados para votar contra o impeachment de Dilma.

Cada deputado custaria 5 milhões de reais.

Joesley ouviu e assentiu então que ele virasse o voto de cinco deputados ao custo máximo de 3 milhões de reais cada um. Queria também a lista dos que viraram o voto.

Dos 15 milhões de reais, Joesley pagou 3,5 milhões de reais. A última parcela foi em março deste ano.

Prefeitura realiza limpeza e manutenção da iluminação da praça municipal



Assecom - Com objetivo de melhorar o ambiente da Praça Cel. Alton Furtado, a Prefeitura de Tarauacá acionou uma equipe da Secretaria de Obras para fazer melhorias e reparos para que as famílias possam desfrutar de um ambiente mais agradável. 

Na tarde desta sexta-feira, 19, foi realizada a limpeza da Praça e feita substituição de lâmpadas, capina e retirada de entulhos. A prefeitura vem fazendo os trabalhos de manutenção permanente do ambiente, porém a depredação cometida por vândalos é constante.

A 'Praça da Municipal', como é conhecida, é um local de lazer para as famílias e ponto de realizações de grandes eventos públicos e festivos, portanto precisa ser preservado e vigiado por todos nós. 

Peritos apontam cortes em gravação de Temer feita por Joesley


Especialistas identificam 'fragmentações' no áudio da conversa entre o presidente e o empresário dono da JBS

O presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista
(Folhapress/AFP)

O perito extrajudicial e judicial Marcelo Carneiro de Souza identificou 14 “fragmentações” na gravação da conversa com o presidente Michel Temer feita pelo empresário dono da JBS Joesley Batista, segundo afirmou ao jornal O Estado de S.Paulo. Outro especialista, Ricardo Caires dos Santos, perito judicial pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, conclui em laudo encomendado pela Folha de S.Paulo que o áudio do diálogo sofreu mais de 50 edições.

Ressalvando ter feito um exame preliminar do arquivo, Souza localizou entre o 14.º minuto e o 34.º minuto (a conversa tem 39 minutos) 14 momentos em que alguma edição pode ter sido feita. “Na despedida dos dois, inclusive, há um corte grotesco, que um amador poderia perceber”, disse ao jornal. Os trechos são todos posteriores à passagem sobre Eduardo Cunha em que o presidente diz ao empresário: “Tem que manter isso, viu?”.

Já o perito consultado pela Folha reconheceu mais de 50 cortes. “É como um documento impresso que tem uma rasura ou uma parte adulterada. O conjunto pode até fazer sentido, mas ele facilmente seria rejeitado como prova”, afirmou ao jornal. Segundo ele, os indícios de manipulação são claros, embora não se possa dizer com que propósito.

Também ouvido, o perito e professor da Unicamp, Ricardo Molina, afirmou que a gravação é de baixa qualidade técnica. Molina não realizou uma perícia formal do arquivo, mas disse ser possível perceber mais de 40 interrupções. “Pode ser um defeito do gravador, pode ser edição, não dá para saber”, afirmou. Ao Estado de S.Paulo, ele também criticou a mudança no nome do arquivo original. “Não é saudável trocar o nome do arquivo justamente para saber de qual gravador saiu”, explicou.

“Gravíssimo”

O advogado criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira disse nesta sexta-feira, que o governo tem “informações seguras” sobre a existência de adulterações e montagens no áudio da conversa, que aconteceu em 7 de março, à noite, no Palácio do Jaburu, em encontro fora da agenda. Amigo do presidente há quarenta anos, Mariz se reuniu com Temer na noite de ontem e nesta sexta, em Brasília, e vai assumir a defesa dele. Uma das estratégias jurídicas, após a delação premiada feita por Joesley, é pedir a perícia da gravação que veio a público. “Soubemos que a fita foi editada e isso é gravíssimo”, afirmou Mariz ao Estado de S.Paulo. “É uma indignidade o que estão fazendo contra o presidente da República e contra o Brasil.”

Questionado se o “corte” de algum trecho da conversa teria sido feito pela Procuradoria-Geral da República, Mariz preferiu a cautela e disse que jamais levantaria suspeitas sem provas. “A perícia vai nos dar indícios tanto sobre a edição quanto sobre a autoria. Quando soubermos, não teremos escrúpulos em denunciar”, declarou o advogado.

Acusações

O áudio da conversa está longe de ser o único problema de Temer, alvo de um inquérito instaurado nesta semana no Supremo Tribunal Federal para apurar as suspeitas de corrupção passiva, obstrução de justiça e organização criminosa. Entre as muitas acusações feitas por delatores da JBS, estão o relato do ex-diretor Ricardo Saud de que o presidente entregou um bilhete com um endereço onde deveriam ser entregues 1 milhão de reais em dinheiro vivo e de repasses feitos ao deputado federal afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), que teria sido destacado por Temer para cuidar dos assuntos de interesse da empresa no governo.

DNIT debate projeto de recuperação da BR-364 com comunidade e instituições


Thiago Caetano afirma que projetos com padrões do Sudeste e Centro-oeste do país não atendem particularidades do Acre
 


Wiliandro Derze - Depois de todos as denúncias e o descaso técnico e administrativo que inviabilizaram os serviços poderiam ter sido feito nas rodovias federais do Acre durante os últimos 18 anos, o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT) criou a superintendência do órgão no Acre, com objetivo de atender diretamente as demandas da região acreana.

Nesse caso, entra também a reconstrução da BR-364, idealizado por um anteprojeto que deve ser orçado entre R$ 800 milhões ou pouco mais de R$ 1 bilhão. O que precisa atender as peculiaridades da Amazônia, especificamente os trechos problemáticos que compreendem os municípios de Rio Branco, Sena Madureira, Manuel Urbano, Feijó, Tarauacá e Cruzeiro do Sul.

Com a visão de garantir obras de qualidade, atendendo as particularidades de clima, relevo, solo e geologia, a direção do DNIT no Acre realizou um grande seminário para debater e colher sugestões técnicas para possíveis mudanças no anteprojeto de reforma das rodovias federais no Acre, especificamente neste primeiro momento na BR-364.

Superintendente do DNIT, Thiago Caetano
Foto: ContilNet
O evento contou com a presença de acadêmicos da Universidade Federal do Acre (Ufac), União Educacional do Norte (Uninorte), Faculdade da Amazônia Ocidental (FAAO), Faculdade Meta (Fameta), além de instituições como Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA), Associação de Engenharia, Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Federal (PF), Ministério Público Federal (MPF), Controladoria Geral da União (CGU), Federação da Indústria (FIEAC), Federação do Comércio (Fecomércio), entre outras entidades que têm interesse na viabilidade da reconstrução da BR-364, que liga grande parte dos municípios a Rio Branco.

O coordenador geral de Projetos do DNIT, Edmarques Pereira Magalhães, e o especialistas na área de pavimentação e geotécnica no Brasil, Danilo Rodrigues, além do representante do Instituto de Pesquisa Rodoviária, João Marcos Magalhães de Andrade, fizeram parte da mesa junto ao superintendente do órgão no Acre, Thiago Rodrigues Caetano, e demais representantes das instituições convidadas para o seminário voltado a debater uma forma técnica e específica da engenharia Rodoviária atuar no Acre, como em toda a região amazônica.

O evento, que de última hora teve seu local alterado do auditório da Ufac para o Centro de Convenções, ficou pequeno para os mais de 200 presentes no local que debateram durante quase 5 horas sobre os diversos problemas encontrados em obras de pavimentação no Acre, como nas BRs 364 e 317. Outras regiões da Amazônia, como por exemplo, a BR-319, que liga Porto Velho (RO) a Manaus (AM), que sempre apresentou problemas graves em projetos e execuções de obras, semelhantes às acreanas, também foi lembrada pelos participantes durante os debates.

O superintendente Thiago Caetano disse que o evento foi de fundamental importância para garantir que projetos, que em sua maioria vêm padronizado tendo como referência as regiões Sudeste e Centro-oeste, possam ser analisados e elaborados dentro de todo um estudo voltado para as particularidades técnicas da região amazônica. “Tivemos muitas sugestões e críticas importantes para reavaliarmos. Ficamos surpresos com o interesse dos acadêmicos e representantes de instituições ligadas à engenharia. Isso mostra que a comunidade quer colaborar para que a obra seja realizada com qualidade, eficiência e sucesso. Queremos essa participação”, destacou Caetano.

Ainda segundo Thiago, o seminário teve papel fundamental nos debates sobre os problemas que ocorriam nas tentativas de ajustamento de projetos encontrando soluções que não se adequavam a realidade das localidades. “Isso gerava processos de aditivos e readequações que não se encaixavam com as normas técnicas que deveriam ser adotadas na região. E no fim gastava-se muito dinheiro, mas a obra se tornava um fracasso”, explicou.

Por conta disso, o superintendente do DNIT no Acre fez questão de junto com sua equipe realizar um grande o seminário que tivesse a participação de técnicos na área para ajudar o projeto. “Do encontro, tiramos pontos fundamentais que vamos passar para a empresa que vem finalizando o anteprojeto e a comunidade da engenharia propôs até a busca de uma linha de financiamento para viabilizar um instituto de pesquisa direcionado ao setor na região amazônica”, acrescentou Thiago.

O superintendente informou ainda que os trabalhos preliminares entre Sena Madureira e o Rio Liberdade na BR-364 foram iniciadas e com a chegada do verão será realizada a restauração desse trecho, que vem sendo tratada como a primeira etapa desse projeto de reconstrução. “Outros tipos de projetos de curto e longo prazo estão sendo realizados para garantir um marco de desenvolvimento na infraestrutura rodoviária do Acre”, finalizou Caetano.

Exército diz a Temer que fará "estrita observância" da Constituição


Maria Carolina Marcello - O Exército manterá seu compromisso com os princípios Constitucionais, afirmaram os três comandantes das Forças Armadas ao presidente Michel Temer em reunião no fim da tarde da sexta-feira, informou nota divulgada pelo Centro de Comunicação Social do Exército.

Segundo a nota, durante o encontro, que também contou com a presença do ministro da Defesa, Raul Jungmann, foi discutida a conjuntura atual e ressaltada "a estrita observância das Forças Armadas aos ditames constitucionais".

"O General Villas Bôas, Comandante do Exército, reafirma que a atuação da Força Terrestre tem por base os pilares da estabilidade, legalidade e legitimidade, e ressalta a coesão e unidade de pensamento entre as Forças Armadas", diz a nota.

Em seu perfil no Twitter, Villas Bôas falou da audiência com Temer e reafirmou "o compromisso perene do Exército com a Constituição e em prol da nossa sociedade".

A reunião dos comandantes com o presidente ocorre após a reviravolta política provocada pelas delações envolvendo Temer e aliados.

Prefeitura realiza Mutirão de Saúde na Zona Rural de Tarauacá



Assessoria - A prefeitura de Tarauacá, por meio da Secretária de Saúde, realiza mutirão de atendimento de saúde nas escolas da rede municipal obedecendo a um cronograma de atendimento junto à população rural.

O atendimento teve início na manhã desta sexta-feira (19) e deve acontecer durante todo o dia. Uma equipe de profissionais está realizando atendimento na escola 15 de junho II e comunidades próximas, na BR 364, Km 18, sentido TK/Feijó.


Na ação são oferecidas consultas médicas, Odontológica, atendimento em enfermagem, vacinação contra a gripe (H1N1), pré-natal e PCCU- Preventivo do Câncer do Colo do Útero, além da entrega de medicamentos.

Para o secretário de Saúde Thiago Meireles, este tipo de ação é de grande importância “É uma ação de extrema importância, levando em conta as dificuldades que eles têm de ir até a cidade em busca de atendimento médico. Sensibilizada com essa situação a prefeita Marilete exigiu que a secretaria desenvolvesse ações dessa natureza em todas as comunidades rurais”, salientou o secretário.


Esse foi o primeiro Mutirão que será realizado durante todo o ano de 2017, o Cronograma de programação dos demais Mutirões nos assentamentos será feito nos próximos dias para atender a toda comunidade da zona rural no decorrer do ano.

19 de mai de 2017

Joesley Batista afirmou à PGR que blefava ao falar em compra de juiz


     Eliária Andrade | Agência O Globo


Guilherme Amado - Joesley Batista, o dono da JBS e figura central da delação, afirmou e apresentou provas durante sua delação que houve cooptação por sua organização criminosa de um procurador da operação Greenfield, Ângelo Goulart Villela, mas não de um juiz.

O esclarecimento foi necessário porque, na conversa gravada com Michel Temer, Batista havia dito que comprara um procurador e um juiz.

Ao ser indagado sobre o juiz, Batista afirmou que havia blefado para Temer e que, na verdade, só havia cooptado Villela.

Conta-propina de Lula e Dilma no exterior tinha US$ 150 milhões


Quem diz é Joesley Batista. Dinheiro foi pago em troca de repasses do BNDES à JBS. e , segundo o empresário, sabiam de tudo

Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ex-presidentes do Brasil pelo Partido dos Trabalhadores (PT) -  (reprodução/Reprodução)


Robson Bonin  - No acordo de delação premiada que fechou com a Operação Lava Jato, o empresário Joesley Batista revela como funcionava o esquema de propinas no BNDES durante os governo petistas de Lula e Dilma Rousseff. Segundo o empresário, o acesso do grupo JBS a aportes bilionários do banco estatal e de fundos de pensão foi comprado à custa de milionárias propinas que tinham Lula e Dilma como destinatários.

O dinheiro sujo era pago, segundo o empresário, para garantir que nenhum pleito do grupo fosse atrapalhado por burocratas do governo. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, era o responsável por receber os pleitos e negociar a propina devida em cada operação.

Foi por ordem de Mantega que o empresário abriu no exterior duas contas para depositar a propina que, diz ele, era destinada a Lula e Dilma. “Os saldos das contas vinculadas a Lula e Dilma eram formados pelos ajustes sucessivos de propina do esquema BNDES e do esquema-gêmeo, que funcionava no âmbito dos fundos Petros e Funcef. Esses saldos somavam, em 2014, cerca de 150 milhões de dólares”, afirmou Joesley na delação.

Depois de Guido Mantega ter favorecido seu grupo empresarial em negócios no BNDES, Joesley abriu uma conta para depositar a propina devida no negócio. Tempos depois, o empresário teve uma conversa com Mantega na qual ele solicitou que outra conta fosse aberta. Joesley ficou confuso, mas a explicação de Mantega foi reveladora. “Em reunião com Guido Mantega ocorrida no final de 2010, este pediu ao depoente que abrisse uma nova conta, que se destinaria a Dilma. O depoente perguntou se a conta já existente não seria suficiente para os depósitos dos valores a serem provisionados, ao que Guido respondeu que esta era de Lula, fato que só então passou a ser do conhecimento do depoente. O depoente indagou se Lula e Dilma sabiam do esquema e Guido confirmou que sim”, anotaram os procuradores na transcrição do depoimento de Joesley.